IAMI OXORONGÁ NA LITERATURA CONTEMPORÂNEA

Já está disponível para leitura gratuita o meu mais recente artigo sobre as feiticeiras da mitologia iorubá, as Iami Oxorongá. O artigo se chama HISTÓRIAS DOS PÁSSAROS NOTURNOS: REPRESENTAÇÕES DE IAMI OXORONGÁ NA LITERATURA CONTEMPORÂNEA e está disponível NESTE LINK: http://www.unicap.br/ocs/index.php/cncrt/3cncrt/paper/viewFile/237/22

O artigo foi apresentado no III Congresso Nordestino de Ciências da Religião, em 2016.

Iami Oxorongá é o nome pelo qual se designa a ancestralidade do poder feminino coletivo e reunido em uma só personificação na mitologia iorubá. O artigo propõe enfoque na recente forma de culto a estas ancestrais femininas nas religiões de matriz africana, particularmente o Candomblé. Trata-se de um culto recentemente difundido principalmente através da literatura contemporânea e do espaço virtual. Esse estudo constitui uma análise literária de alguns contos, poemas, romances e literaturas de viagem produzidos ou coletados nos últimos cinquenta anos sobre o tema. A partir dessa premissa, também foram analisados o processo de reafricanização e de valorização do sagrado feminino. A crítica literária foi apoiada nos conceitos de teóricos como Todorov e Stephen King.

Abebê (leque) de Oxum (a ialodê das Iami) com os pássaros noturnos.

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO SOBRE IAMI OXORONGÁ, AS ANCESTRAIS AFRICANAS

Já está disponível para leitura, a minha dissertação de mestrado, defendida em março de2015, sobre Iami Oxorongá, as ancestrais feiticeiras da cultura iorubá. Para ler a dissertação, clique aqui: http://www.unicap.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1086

BOLO COMEMORATIVO NA MINHA DEFESA DE MESTRADO, COM PÁSSAROS NOTURNOS SOBRE UMA ÁRVORE, REPRESENTANDO AS ANCESTRAIS FEITICEIRAS.
BOLO COMEMORATIVO NA MINHA DEFESA DE MESTRADO, COM PÁSSAROS NOTURNOS SOBRE UMA ÁRVORE, REPRESENTANDO AS ANCESTRAIS FEITICEIRAS.

 

 

O PODER DO XALE

Em termos simbólicos o xale ainda é pouco estudado, nem sequer está contido nos melhores dicionários de símbolos. Porém é um artefato mágico dos mais eficientes. Assim como outras imagens primordiais, ele está presente em todas as culturas, pois trata-se de uma vestimenta básica no universo feminino. Durante muitos anos estudei o xale nas culturas cigana e europeia, mas ultimamente venho pesquisando seus atributos por outros cantos do mundo…

Bailaora y su mantón

O xale lembra as vovós, seus bordados e o aconchego materno. Usá-lo significa retornar ao lar. Então, apesar de representar todas direções cardeais e elementais em sua forma de quadrante, o xale nos leva mesmo ao elemento terra… é a busca pela Mãe Terra e suas profundezas, é a riqueza do abrigo, do amparo e da proteção.
Assim, o trabalho mágico com o xale remete à terra e a ancestralidade por meio da beleza de seu bordado.
Nas “cartas xamânicas”, Jamie Sams reserva uma de suas cartas para o xale e escreve:

“A Mãe Terra acolhe em casa seus filhos
Quando eles se extraviam.
O caminho era ermo e comprido,
Ela lhes sussurra que fiquem,
Sob a proteção do Xale,
Onde o amor volta a habitar.
Seus corações podem abrir-se para recordar
Todos os Parentes como seus amigos.”

35_shawl
Carta do Xale

A tomada do xale é um ensinamento Paiute. Esses nativos americanos escolheram voltar para casa e abraçar os ensinamentos dos seus Anciões.
Portanto, quem usa o xale está percorrendo um caminho de retorno ao lar que é tecido a muitos fios e que promove um encontro com as mais diversas linhas. O uso do xale pode entrar e sair de moda, mas sempre retorna para nos aquecer, proteger e nos guiar no caminho da beleza. As mulheres incas usam seus xales presos por um broche, tupus, um artefato que possibilitou aos arqueólogos identificar estátuas ou múmias como sendo do sexo feminino.
A mesma ideia do xale como os braços amorosos da grande mãe é expressa entre os celtas na figura de Brigith como a Senhora do Manto. O manto da Deusa não apenas cobre e protege todo o território, mas também envolve cada pessoa que recorre a ela por proteção. Os fios de que é tecido seu manto são os filamentos que conectam todas as coisas em uma grande teia de vida.
Da próxima vez que usar um xale, sinta a Grande Mãe envolver você em seu abraço amoroso e protetor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Dança do xale das índias norte-americanas.

Documentário sobre Xamanismo

Olá queridos leitores do site! Aqui está disponível o documentário “Xamanismo”, que foi produto do Fórum Inter-religioso da UNICAP, no qual fui organizadora e também concedi entrevista. Foi um lindo trabalho em equipe! Contamos com a produção do jornalista Luca Pacheco, com o depoimento do xamanista Hugo Silva e  a participação da Ordem Xamânica Buscadores da Divina Luz: